InfoBee Operação aponta fraudes na produção de mel - InfoBee
InfoBee
E-mail de contato

contato@infobeebr.com.br

Telefone de contato

(91) 3204-1050

Operação aponta fraudes na produção de mel

Data: 24/11/2023 - por Globo Rural

Em 67 amostras, 7,46% tinham adulterações; índice caiu em relação a 2022, diz ministério

Amostras de mel eram adulteradas por açúcares, como xaropes de milho ou de cana-de-açúcar

Amostras de mel eram adulteradas por açúcares, como xaropes de milho ou de cana-de-açúcar – Foto: Freepik

O Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) encontrou, em 2023, adulteração de mel por açúcares C-4, como xaropes de milho ou de cana-de-açúcar, em 7,46% das 67 amostras analisadas. O resultado demonstra diminuição do índice de não conformidades quando comparados com a operação do ano anterior, quando o resultado foi de 13,13%, das 99 amostras analisadas.

“Estamos no caminho certo de combate à fraude do mel e, por isso, a necessidade de continuarmos com as ações de coletas de amostras para monitoramento”, relata a diretora do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal, Ana Lúcia Viana.

A Operação do Mel 2023 ocorreu nos comércios varejistas em produtos elaborados em estabelecimentos sob Serviço de Inspeção Federal (SIF) e em estabelecimentos com equivalência no Sisbi-POA.

Para a amostragem, foram coletadas 67 amostras em 42 dos 194 estabelecimentos elaboradores de mel com registro no SIF que produziram entre 2022 e 2023. Isso representa 21,65% do total de estabelecimentos do Brasil. Entre esses 42 estabelecimentos, quatro obtiveram amostras com resultados não conformes.

Nesta operação específica, não foi coletada nenhuma amostra de mel produzido por estabelecimento importado.

A adição de açúcares ao mel configura fraude econômica ao consumidor. Para cada amostra não conforme, o Serviço de Inspeção Federal adotou as ações fiscais e medidas cautelares previstas na legislação junto aos estabelecimentos produtores e seus produtos.As amostras foram coletadas pelas equipes dos Serviços de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SIPOA) e analisadas pelos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária (LFDA).

Fonte: Globo Rural — São Paulo