InfoBee Clima instável desorienta abelhas e afeta produção de mel no país - InfoBee
InfoBee
E-mail de contato

contato@infobeebr.com.br

Telefone de contato

(91) 3204-1050

Clima instável desorienta abelhas e afeta produção de mel no país

Data: 25/11/2023 - por Cleyton Vilarino

Com extremos no clima, as abelhas têm trabalhado menos, resultando em menor produção de mel

Com extremos no clima, as abelhas têm trabalhado menos, resultando em menor produção de mel — Foto: Arquivo pessoal

Em trinta anos de apicultura, o presidente da Associação Gaúcha de Apicultura (AGA), Abenor Furtado, diz que nunca viu uma situação como a vivida este ano no Rio Grande Sul. Com todas as floradas — de árvores nativas ou plantadas — perdidas desde o início da primavera após sucessivas tempestades, ele estima que 80% da produção de mel do Estado, maior produtor do país com mais de 9 mil toneladas em 2022, esteja perdida este ano.

“As informações que eu recebo dos nossos associados não são nada animadoras. É muita mortandade de abelha por causa das intempéries”, relata.

O problema dos apicultores gaúchos se repete em toda a região Sul, responsável por 36,8% das 60,9 mil toneladas produzidas pelo Brasil em 2022. Com o tempo chuvoso ainda em outubro e novembro, intercalado com períodos de calor extremo, as abelhas têm trabalhado menos, resultando em menor produção de mel e menor reprodução.

Presidente da Associação Gaúha de Apicultores, Abenor Furtado, avalia que 80% da produção do Estado já foi perdida este ano — Foto: Arquivo pessoal

Presidente da Associação Gaúha de Apicultores, Abenor Furtado, avalia que 80% da produção do Estado já foi perdida este ano — Foto: Arquivo pessoal

Com pouco mel, há menor disponibilidade de alimento para as colmeias, que aos poucos têm definhado de fome, afirma o presidente da Federação das associações de apicultores e meliponicultores de Santa Catarina (FAASC), Ivanir Cella.

“Mesmo que consigam sobreviver, as colônias pararam de crescer e as que estavam grandes diminuíram”, comenta o apicultor. Segundo ele, há pelo menos cinco anos a região não tem uma produção regular, reflexo de um clima irregular.

Com as chuvas se estendendo para além de setembro, é como se as abelhas fossem “enganadas”, explica Cella. “O problema é que a rainha está sendo enganada. Quando abre a primeira florada, com o calor, a rainha se apura a colocar bastante ovos e aí é pega ela de calça curta”. Com a população da colmeia em alta e o tempo fechado, o resultado é a escassez e o colapso das colônias.

“Estamos tendo casos de canibalismo, com as abelhas comendo as crias por falta de proteína. Isso seria normal em setembro, mas não nesta época”, observa o presidente da FAASC.

De acordo com o dirigente, os meses de outubro e novembro costumavam ser marcados pelas principais floradas, com cerca de 60% do total do mel colhido. Mas com as chuvas cada vez mais prolongadas essa produção tem se concentrado entre os meses de março e maio, até então considerados o de menor rendimento. “O fato é que não dá pra esperar uma safra boa”, resum

No Paraná, a previsão também é de que a safra de primavera seja frustrada este ano, dado que em novembro a região já deveria estar colhendo o mel produzido a partir das floradas de setembro e outubro – também frustradas.

“Ano passado, só fomos colher em janeiro e este ano o panorama é praticamente o mesmo”, afirma o gerente de produção da Unimel, Gabriel Ghezzi Munhoz. Com uma produção de 70 toneladas de mel ao ano, a empresa teve uma queda de 60% no volume produzido em 2022 — cenário que deve se repetir em 2023.

O calor extremo também tem impactado o comportamento das abelhas no Sul do país. “Elas não conseguem trabalhar direito porque têm que refrigerar a colmeia. Aí, em vez de trabalhar buscando néctar, elas ficam trabalhando para buscar água e batendo asas para se ventilar”, detalha Furtado, da AGA.

Além do aspecto produtivo, os enxames também têm se mostrado mais agressivos, afirma Tiago Luiz Glowaski, associado da Associação Paranaense de Apicultura (APA). Responsável pela retirada de colmeias em áreas urbanas da grande Curitiba, ele tem recebido mais chamados em áreas rurais este ano, onde os ataques, quando ocorrem, costumam ser mais severos diante da dificuldade de as pessoas encontrarem abrigo e proteção.

“O agricultor, para chamar a gente, é porque a coisa não está fácil. Geralmente, eles dão o jeito deles, costumam ser bem mais habilidosos do que nós que somos da cidade, mas se não tiver como resolver, eles vão chamar quem entende”, comenta o apicultor.

Com as abelhas mais estressadas pelo calor, Glowaski tem redobrado o cuidado no manejo dos mais de 200 apiários em que atua. “Para o apicultor, se torna mais perigoso o ataque e ele tem que ser mais cauteloso, usar mais fumaça e buscar trabalhar no horário da tarde ou mais cedo, quando a temperatura está mais amena e as abelhas menos agressivas”, ele orienta.

Fonte: Globo Rural