InfoBee Apicultura é alternativa para complementar renda no Oeste catarinense - InfoBee
InfoBee
E-mail de contato

contato@infobeebr.com.br

Telefone de contato

(91) 3204-1050

Apicultura é alternativa para complementar renda no Oeste catarinense

Data: 27/02/2023 - por Globo Rural

Consultoria incentiva a atividade e capacita produtores, que observam crescimento de até 4000% na produção

Mel produzido por apicultores do Oeste catarinense

Mel produzido por apicultores do Oeste catarinense – Foto: Suellen Santin

Cerca de 130 famílias em nove municípios do interior de Santa Catarina estão encontrando na apicultura uma forma de complementar a renda. Uma iniciativa do Sebraetec, em parceria com as prefeituras, incentiva a atividade por meio de consultorias técnicas e orientação sobre temas como assiciativismo e comercialização de produtos.

Ações vem sendo realizadas em Anchieta, Santa Terezinha do Progresso, Cunha Porã, Nova Itaberaba, Quilombo, Santiago, Galvão, Faxinal dos Guedes e Ponte Serrada. Foram criadas associações de apicultores em Nova Itaberaba e Faxinal dos Guedes, ambas filiadas a uma federação que presta apoio e assistência aos produtores.

Segundo Neuri Riboli, consultor técnico do SEBRAE, algumas propriedades chegaram a registrar crescimento de 4000% na produção como resultado da implantação de processos de melhoramento de colmeias, alimentação, genética, qualidade de enxames e manejo. “O objetivo da consultoria é trazer para o apicultor mais uma oportunidade de renda, oferecendo toda a orientação que ele precisa para se desenvolver nessa atividade”, salienta, em nota divulgada pelo Sebrae.

Marinéz Soares da Silva, presidente da Associação de Apicultores e Meliponicultores de Nova Itaberaba — Foto: Suellen Santin

Marinéz Soares da Silva, presidente da Associação de Apicultores e Meliponicultores de Nova Itaberaba — Foto: Suellen Santin

A presidente da Associação de Apicultores e Meliponicultores de Nova Itaberaba, Marinéz Soares da Silva, tem hoje em torno de 80 colmeias em sua propriedade, na zona rural do município. Seguindo as orientações da consultoria desde o início, ela e o marido adotaram a atividade como uma fonte de renda complementar há aproximadamente quatro anos.